Categoria:

Ratinha de Biblioteca

[Resenha] – Quem era ela

Arquivado em Livros, Resenhas
- março 27, 2017

Fazia tempo que um livro não me prendia da primeira até a última página; Comecei a leitura de Quem era ela por conta dos inúmeros comentários positivos que circularam nas redes sociais a respeito da obra, e quando percebi, já estava devorando o livro em busca de respostas. Li as quase 340 páginas em menos de três dias e posso dizer que o livro entrou na minha lista de melhores leituras do ano.

Como você se sentiria que precisasse responder um questionário e seguir regras para morar em uma casa perfeita?! 

Folgate Street, nº 1 foi planejada por Edward Monkford, um renomeado arquiteto e um dos sócios fundadores da Monkford e Associdados. A casa é minimalista e é composta por muita tecnologia, desde uma senha para abrir a porta, até sensores que ligam o chuveiro, e ela é considerada uma casa muito segura. Mas por conta de todas essas qualidades, os interessados em morar em Folgate Street, nº 1 precisam preencher uma série de formulários e realizar uma entrevista com Edward, que tem o veredito final sobre quem poderá morar lá.

O livro é narrado sob a perspectiva de duas personagens: Antes: EmmaDepois: Jane. As diferentes visões a respeito da Folgate Street, nº 1 são importantes para o melhor desenvolvimento e entendimento da história. Jane é a atual moradora da casa, mas aos poucos descobre que a antiga inquilina, Emma, teve uma história misteriosa enquanto viveu ali. Aos poucos Jane se vê envolvida nesse mistério, e tenta descobrir o que, de fato, aconteceu.

Durante a leitura da obra é possível identificar que Jane e Emma possuem algumas características em comum, o que torna toda história ainda mais enigmática. Por conta da narrativa que se alterna, é possível acompanhar a vida de Emma e em que ponto a história de Jane “cruzou” com a dela. E eu adianto uma coisinha pra vocês: são fatos de tirar o sono.

Todos os personagens tem um peso muito forte na história. Eles foram muito bem desenvolvidos e possuem ligações que tornam toda a história por trás de Folgate Street, nº 1 mais misteriosa. É difícil de saber quem está falando a verdade e quem está tentando tirar algum tipo de proveito diante dos fatos apresentados. Além disso, a casa em si também se torna uma espécie de personagem, uma vez que as descrições sobre ela são muito bem detalhadas e ela (sim, a casa!!) pode induzir conclusões a respeito de diversos fatos.

Os capítulos são curtos e o autor soube criar um clima de muito suspense, mistérios e enigmas a respeito da casa e também dos personagens. A impressão que eu tive foi a de que JP Delaney “jogava” informações para o leitor guardar na memória e só trabalhava com isso nos capítulos seguintes. Isso prendeu minha atenção de uma maneira que não sei explicar; só sei que foi muito bom.

Não tenho tempo para pessoas que não se esforçam para aperfeiçoar a si mesmas.

Concordo [ ] [ ] [ ] [ ] [ ] Discordo

 

Quem era ela aborda temas do cotidiano, temas que são considerados tabus nos dias de hoje e também temas que dificilmente são vistos na literatura. O livro quebra paradigmas e faz questão de mostrar que toda ação tem uma reação.

A edição da Intrínseca está um capricho; o livro veio dentro de uma caixinha, sem muitas explicações sobre a obra (e me conquistou logo ali). Eu achei super interessante que os inícios de capítulos são parte dos questionários respondidos pelas personagens, o que me fazia ficar refletindo sobre diversos assuntos da minha vida – e também sobre o rumo que a história estava seguindo.

Eu queria ficar falando sobre esse livro por mais capítulos. Mas o meu medo de soltar algum spoiler é grande. E é sério: o livro só tem graça se você descobre aos poucos o que aconteceu. Mas é claro, se você já leu e quer trocar figurinhas sobre a história, é só me mandar um e-mail

Só peço uma coisa: leiam esse livro! Quem era ela é uma obra de arte e me lembrou bastante os livros da Gillian Flynn. Eu já fiquei imaginando uma adaptação para o cinema e vou indicar esse livro com todas as forças pra todo mundo, hahaha!


SELO_BLOGSPARCEIROS_2016

*Comprando na Amazon através desse link você ajuda o blog através de uma pequena comissão

[Resenha] – Biblioteca de Almas

Arquivado em Livros, Resenhas
- março 23, 2017

⚠ Essa resenha pode conter spoilers dos demais livros da trilogia.

O lar da srta. Peregrine para crianças peculiares | • Cidade dos etéreos


Terminar uma trilogia é sempre triste. Eu sempre fico com aquela sensação de que estou me despedindo de grandes amigos, e com Biblioteca de Almas não foi diferente. Eu gostei bastante da leitura dos dois primeiros livros, mas esse terceiro fechou a trilogia com chave de ouro – e eu quase comecei a reler tudinho quando cheguei na última página.

Em Biblioteca de Almas, podemos acompanhar a jornada de Emma e Jacob em busca do Recanto do Demônio, onde seus amigos estão presos. Eles também contaram com a ajuda de Addison (o cão falante) e os três se tornaram invencíveis. A jornada não foi fácil, e os três precisaram lidar com inúmeros acólitosetéreos durante todo o caminho. Mas aos poucos eles começaram a descobrir um pouco mais sobre a história dos peculiares e também contaram com a ajuda de novos personagens.

Para mim, a história desse livro foi a mais real de todas. Digo isso porque a maldade realmente existiu de uma forma mais evidente e também porque a lealdade dos personagens foi colocada a prova em diversos momentos da trama. Se Caul se mostrou um personagem extremamente cruel no segundo livro, nesse terceiro podemos acompanhar um nível mais macabro de crueldade. Era impossível saber ou deduzir o que iria acontecer, pois a cada nova página era uma “bomba” que o autor soltava e me deixava curiosa e sem folêgo – e foi por conta disso que eu devorei essa obra.

Se no segundo livro nós fomos apresentados a novos peculiares, em Biblioteca de Almas esse leque se abriu de uma maneira inimaginável. Apesar de não serem muitos quantitativamente, os novos peculiares apresentados possuem histórias muito interessantes e surpreendentes. Eu confesso que fiquei de queixo caído em inúmeras partes. Além disso, nesse livro também podemos conhecer a fenda mais obscura e cruel do mundo peculiar.

Apesar de eu ter imaginado um final diferente, a leitura de Biblioteca de Almas foi extremamente proveitosa e tudo se encerrou sem pontas soltas. Claro que o autor poderia (em um futuro bem próximo, obrigada!) lançar alguns contos sobre determinados personagens – no mesmo estilo do livro Contos Peculiares. Porque é impossível não querer mais e mais desse mundo e personagens encantadores. 

Preciso fazer um parenteses para dizer que senti falta da entrevista do autor no final do livro, e que as fotos dessa edição são tão boas quanto as dos demais livros. Toda trilogia foi feita com muito capricho e ela se tornou uma das minhas favoritas da vida!

Contos Peculiares será uma das minhas próximas leituras Não vejo a hora de viajar novamente pra essa “fenda” que Ransom Riggs criou.


SELO_BLOGSPARCEIROS_2016

*Comprando na Amazon através desse link você ajuda o blog através de uma pequena comissão

Um pouco sobre ‘As Crônicas de Nárnia’

Arquivado em Livros
- janeiro 24, 2017

P_20170124_131319

Olá, pessoal! Tudo certo com vocês?! Por aqui está tudo ok (tirando a parte em que eu quebrei o dedo do pé enquanto viajava)…

Quem acompanha o blog deve ter lido a postagem que eu fiz um tempinho atrás a respeito de dois livros que eu não conseguia terminar de ler. Um dos títulos era As Crônicas de Nárnia e estou orgulhosa em anunciar que finalizei a leitura dessa obra *palmas*. E hoje vou falar um pouquinho a respeito da minha experiência ao realizar tal leitura.

A edição que eu tenho é aquele de volume único lançado pela editora Martins Fontes (não sei se existe outra edição desse livro e/ou as histórias separadas); e são cerca de 750 páginas. Ao todo são 7 histórias + um extra de Como escrever para crianças. Também vale ressaltar que essa edição (pelo o que eu entendi) foi publicada de acordo com a ordem cronológica das histórias, uma vez que Lewis as escreveu em uma ordem um pouco diferente.

Mas vamos ao que interessa… (pode conter spoiler)

Eu realizei a leitura de O sobrinho do magoO leão, a feiticeira e o guarda-roupa em pouquíssimo tempo. Eu realmente estava empolgada com o livro e todos os segredos a respeito de Nárnia estavam me deixando muito curiosa. Mas então eu comecei a leitura de O cavalo e seu menino e demorei, sei lá, praticamente um ano para finalizar a leitura dessa história (isso porque tem menos de 100 páginas). Então posso dizer que O cavalo e seu menino foi a história que eu menos gostei.

Então o livro ficou largado na minha estante de 2014 até o comecinho de Janeiro, quando eu fui viajar e decidi que estaria finalizando a leitura dessa obra. Confesso que Príncipe Caspian ficou um pouco abaixo das minhas expectativas, mas no geral foi uma boa história. Em compensação,  A viagem do Peregrino da Alvorada A cadeira de prata prenderam minha atenção do começo ao fim. Porém, foi A última batalha que ganhou o meu coração

P_20170124_131414

Algumas considerações

→ O livro, de um modo geral, é incrível!

→ Foi muito interessante descobrir como Nárnia foi criada e conhecer Digory e Polly

→ Eu gostei muito de poder acompanhar o crescimento de Pedro, Edmundo, Lucia e Susana

→ Achei muito legal como Eustáquio e Jill foram introduzidos nas histórias

→ Todos os personagens me encantaram de alguma forma, Lewis soube criar cada um com muito carinho

→ Meu coração ficava quentinho a cada vez que um dos seres do mundo de fora visitavam Nárnia

→ As histórias se ligam de alguma maneira (eu não sabia disso até ler o livro)

→ Antes de iniciar a leitura desse livro, eu tinha lido em algum lugar que se tratava de uma “adaptação” da Bíblia para crianças: e isso fez todo o sentido no decorrer da leitura

→ Gostei das metáforas e das referências

→ Aslam é meu herói!! ♥♥♥

→ O que foi aquele final?! Meu Deus!!! Fiquei com os olhos cheios de lágrimas e não conseguia acreditar no que estava lendo 🙈🙊 (A última batalha)

→ De uma maneira extraordinária, tudo fez todo o sentido

→ A única adaptação a qual eu assisti foi a de O leão, a feiticeira e o guarda-roupa, porém faz muito tempo e eu não consigo fazer uma comparação com a história original

→ Eu não imaginava que iria gostar tanto das histórias, personagens e mundos de As Crônicas de Nárnia

→ Apesar dos apesares, As Crônicas de Nárnia se tornou um dos meus livros favoritos


Bom, deu pra perceber que eu gostei bastante desse livro, né não?! hahaha! Se alguém quiser trocar uma ideia a respeito das histórias, personagens, referências e afins, é só deixar um comentário ou entrar em contato

Beijinhos e até o próximo post 😘