Livros

[Entrevista] Jairo Sarfati, autor de Diário Póstumo de Charlotte

Bom dia sonhadores!

Pela primeira vez trago um entrevista aqui no Procurei em Sonhos *pulinhos de alegria*

O entrevistado foi Jairo Sarfati, autor do livro Diário Póstumo de Charlotte (que será lançado – oficialmente – no próximo dia 13). Fiquei muito feliz com o resultado da entrevista, além de ter ficado mais ansiosa pelo livro. O autor revelou muitos fatos interessantes sobre personagens e sobre a origem de seu livro.

1- Qual foi sua intenção ao escrever Diário Póstumo de Charlotte? 

Charlotte nasceu de um sonho maluco que eu tive, era um sonho que se repetia e que me deixava passar o dia pensando sobre. Eu nunca tive a intenção de escrever um livro relacionado à minha Charlie (é como eu a chamo). Eu estava numa época não muito boa, início de segundo ano médio, aquele medo de não ser bom o bastante em nada, então eu comecei a escrever mais para fugir daquilo, escrever, para mim, era e ainda é como uma fuga da realidade. E então eu escrevi meu primeiro rascunho que se chamava “Meu último suspiro“, mas aí aconteceu que eu tive a ideia do diário. E acabou ficando “Diário Póstumo de Charlotte“. Todo dia quando eu chegava da escola eu sentava frente ao computador e escrevia. De início era uma fanfic, eu nunca pensei em fazer um livro de fato, passado-se dois meses eu terminei a história. Meu feedback no site de postagem da fanfic estava completamente positivo, com vários comentários positivos, etc. Então eu excluí a fanfic e comecei a transformar aquilo em um livro, o que evoluiu de 125 páginas para 272. E estou muito orgulhoso com o resultado.

2- Li na prévia do primeiro capítulo que o livro fala sobre morte. Por que você decidiu escrever sobre isso?

No sonho Charlotte morria, e eu sempre me questionava o que acontecia depois da morte, até que eu tive o sonho maluco com a reencarnação de Charlotte, que deu início a história em si. Aos poucos meus sonhos malucos iam se juntando e se tornando a história que é hoje. E de fato, é um mistério absoluto, você nunca sabe se a morte realmente é o fim de tudo. No caso de Charlotte (sem spoiler, ela fala isso antes de começar o livro), a morte era somente o começo da história dela.

3- A morte não é um tema que todos gostam de ler. Você acha que o publico irá aceitar a história? 

Como eu disse antes, a história já foi uma fanfic, que acabou virando livro, e o público que lia adorava a história, tinha pessoas que chegaram a chorar em algumas partes, e realmente tem partes muito boas. Alguns amigos meus me chamam de autor mórbido, por conta desse livro tratar da temática da morte, etc. Mas ao longo do processo de publicação do livro eu tive uma perda grande, meu avô chegou a falecer e isso me deixou realmente triste. Ele me incentivava muito a escrever, eu devo muito a ele.

Às vezes fico temeroso com a resposta do público, porque com uma fanfic você tem uma resposta quase que imediata, em livro não, você demora a ter uma resposta. Mas estamos aí, aceito críticas positivas, negativas, etc. Mas acho que o público vai gostar da história, embora eu fique inseguro às vezes.

4- Você acha que as pessoas irão se identificar com Charlotte? Por quê?

A Charlotte é a típica garota de 16 anos que sofre bullying e é completamente insegura. Ela é um pouco complexada, com peso e aparência. O livro lida com o fato de que o amor não escolhe um rostinho bonito, mas sim uma boa personalidade. Charlotte é romântica, carinhosa, fofa, adora ajudar todos e é realmente impossível não se apegar a ela. Se as pessoas vão se identificar ou não, é uma incógnita, mas a Charlie é um amorzinho.

5- De onde veio a inspiração para a criação dos personagens? 
A criação de personagens veio por meio dos meus sonhos. Charlotte, Sophia, Victor e a Menina Anjo. Eles estavam nos meus sonhos desde os primórdios. Já os demais personagens, como a Nina, surgiu ao longo que eu fui escrevendo. Era os necessário “porquês” ao longo a história. Para explicá-los eu precisava de personagens. Minha vilã surgiu de uma forma completamente inusitada, eu estava assistindo “Garotas Malvadas” e então surgiu minha vilã.

A personagem mais bem construída, na minha opinião, é a Menina Anjo, às vezes você tem ódio dela, mas às vezes você a ama. Ela é minha personagem preferida. Já a mãe de Sophia, veio de inspiração naquelas famosas e ricas, com vidas badaladas e cheias de “glamour”. Você vai entender melhor ao longo da narrativa.

6- Na página do Facebook li que Nina Blue é a melhor amiga de Charlotte após sua reencarnação. Você poderia falar um pouco sobre isso? 

Nina ♥, desculpa, mas eu sou biased pela Nina. Ela surgiu na narrativa por acaso, após Charlotte reencarnar em um corpo diferente, ela precisava de uma melhor amiga, então surge Nina, ela é bem cômica e eu adoro a forma como ela fala e pensa. Ela é simplesmente encantadora.

7- Quais suas expectativas em relação ao livro? 
Eu nunca pensei que chegaria a ser publicado, de fato, foi bem difícil acreditar quando eu recebi o e-mail. Mas minhas expectativas agora é que as pessoas gostem do livro, se interessem por leitura. Um dos meus maiores sonhos foi realizado ao publicar esse livro, então minhas expectativas agora estão mais relacionadas à venda e que eu consiga publicar o resto da trilogia. Estou trabalhando bastante no segundo livro!

 

~ • ~

Gostaria de agradecer novamente o autor que foi muito atencioso e respondeu minhas perguntas malucas. Sou apaixonada pelo nome Charlotte e acho que isso foi o que mais me atraiu, em um primeiro momento, pelo livro. Espero que seja um sucesso!

Ps: Quero Charlie em minha vida 

Posts relacionados

8 comentários

  • Reply
    Criticando por aí - Caroline
    setembro 10, 2013 at 12:00 pm

    Ai Cássia, super curti a entrevista! Acho muito interessante essas histórias que surgem de sonhos, etc! Me interessei bastante por ela 🙂

    Beijos,
    Caroline
    http://criticandoporai.blogspot.com

  • Reply
    Ju Zanotti
    setembro 10, 2013 at 12:10 pm

    Ok, vou dizer que me interessei, eu mesma estou em um momento meio mórbido, bastante down e ler livros que tocam no assunto as vezes ajuda e me faz perceber que as coisas não são bem como eu imagino. Que essa morbidez só me faz mal, bom enfim não vou entrar em detalhes. O livro é triste? Chorante? Li que algumas pessoas choraram em alguma parte do livro, preciso ler. Quanto a questão dos sonhos eu vivo tendo sonhos malucos, mas eles são muito fantásticos, já tentei passar pro papel, mas sério sou péssima com isso, sempre abandona a história. Quem sabe um dia eu consiga! Adorei a entrevista Cá 🙂

  • Reply
    Lú Miranda
    setembro 10, 2013 at 3:46 pm

    Oi, Cá!
    Tudo bom com você? (quanta formalidade!).
    Adooorei a entrevista, mana. Olha, acho muito interessante, principalmente um ponto que foi abordado por ti.

    Beijinho da Lú. rs

  • Reply
    Universo dos Leitores
    setembro 10, 2013 at 8:12 pm

    Cássia, o livro parece ser fofo, parabéns! Adorei a entrevista…

    Abraços, Isabela.
    http://www.universodosleitores.com

  • Reply
    Universo dos Leitores
    setembro 10, 2013 at 8:13 pm

    Cássia, parabéns pela entrevista! O livro parece ser ótimo, adorei…

    Abraços, Isabela.
    http://www.universodosleitores.com

  • Reply
    Giovanna Milanez
    setembro 10, 2013 at 8:44 pm

    Olá!
    Ainda não conhecia o autor mais amei a entrevista, parabéns!!

    Beijos
    http://www.sonhandocomlivros.com/

  • Reply
    Yasmim Namen
    setembro 17, 2013 at 3:32 am

    Pronto! Consegui ler até o final. xD
    É um tema bem "medinho" pra mim, sabe? A capa tem seu charme e eu espero que faça sucesso pra que a trilogia seja finalizada!
    Confesso: broxei totalmente quando li que era trilogia e olha que nem a parte que "tem gente que chora em várias partes e blablabla" tinha me desmotivado. :/

  • Reply
    J.P.P
    outubro 2, 2013 at 11:41 am

    http://www.youtube.com/watch?v=bNXWg3vCAXw o trailer do livro! o evento de pre lançamento https://www.facebook.com/events/163087017227356/

Escrever um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.